A idéia desta história em quadrinhos de 3 páginas, escrita por mim e desenhada pelo Mario Cesar, foi juntar diversas concepções cosmogônicas distinstas. Para isso, utilizo como referência desde as comogonias de Hesíodo, Platão, Ovídio, e mesmo o Gênesis biblíco, até as mais moderna teorias cosmogônicas da física quântica.

Aliado a isso, tento também nessa história juntar através de alegorias e metáforas, a antiga poesia e o teatro grego com a moderna informática e a cultura digital (coisas que aparentemente não tem nada a ver).

Essa HQ foi feita originalmente para o projeto que pretende contar em quadrinhos a história e as peças da companhia de teatro Os Satyros.

Vocês já devem ter percebido que adoro escrever histórias sobre criações e destruições de mundos. Acho que isso é uma forma de exprimir minha frustração como ser humano de não ser capaz de criar nada do nada, poder esse que só pertence as divindadades, sejam elas quais forem.

Mas se não posso criar, se não tenho esse poder, ao menos posso transformar, recombinar, revisitar, reinterpretar, resignificar, remixar…