Quadrinhos e Produção Independente

Amanhã, dia 09, acontecerá na praça da biblioteca do Centro Cultural São Paulo a partir das 20h o debate Narrativas Visuais: Quadrinhos e Produção Independente, que contará com representantes das seguintes revistas independentes: Cão, O Contínuo, Subterrâneo e Garagem Hermética, do qual participo. A mediação será feito pelo Eloyr Pacheco, editor do site Bigorna.

E no próximo sábado, dia 11, estarei em Curitiba, participando também de uma palestra sobre quadrinhos independente, junto como Leonardo Melo da Quadrinhópole, que acontecerá na 1ª Festa do Quadrinho Independente que será promovida pela Gibiteca de lá. Então, curitibanos, me aguardem. =)

Relatório HQ & Cultura

No último sábado aconteceu no campus da Uninove Vergueiro o evento HQ & Cultura do qual eu e outros quadrinistas independentes fomos convidados a participar. Cheguei lá por volta da nove da manhã e me encontrei com o Harriot e com o Will pra montarmos a nossa bancada de fanzines e quadrinhos independentes.

Além dos meus fanzines, levei também os fanzines e quadrinhos que vendo lá na minha barraca na feira de artes e artesanato de Osasco. A esses títulos que eu levei, juntou-se o material dos quadrinistas independentes que lá estavam, fazendo com que nossa bancada ficasse com uma grande variedade de quadrinhos, de diversos estilos, gêneros e formatos, chamando muito a atenção do público presente no evento. Foi algo muito parecido com que já tínhamos feito no último Angelo Agostini.

O legal disso é ver que muito da minha ambição de unir os quadrinistas independentes está dando certo. Pois juntos fazemos muito mais barulho do que sozinhos, e assim, conseguimos nos fazer escutar pelos habitantes lá do mundo da superfície, como já havia expressado no editorial da Garagem Hermética Nº 1. Estamos saindo dos subterrâneos e conquistando o nosso espaço na superfície. E este é um movimento que tende a crescer cada vez mais.

No evento participamos também do debate O Fanzine e o Século 21. Basicamente foi um repeteco do debate que fizemos no dia anterior no Planeta Tela sobre Quadrinhos Independentes e Internet. O consenso a que se chegou é que a Internet e os meios digitais como um todo vieram pra facilitar em muito a vida do quadrinistas nas diversas etapas de produção de uma HQ, seja na parte da criação propriamente dita, ou na parte de venda, distribuição e divulgação da obra. Só não chegamos a um acordo com relação a validade comercial das webcomics no Brasil, mas esta é uma questão que só será respondida com o tempo. A minha opinião sobre o assunto, vocês já conhecem!

Enfim, foi um evento bem legal. O HQ & Cultura foi bem proveitoso para nós quadrinistas independentes e espero que tenha sido para o público também, que teve a oportunidade de conhecer uma grande variedade de quadrinhos que muitos nem mesmo sabiam que existiam, pois não é um material que possa ser encontrado nos lugares “habituais”. Aliás, só esse fato deles descobrirem que existe também quadrinhos de qualidade sendo produzido além do universo das bancas e das livrarias, já fez o evento valer a pena. E eu espero que essa consciência se propague cada vez mais entre o público leitor de quadrinhos. E se depender de nós, isso realmente irá acontecer.

Fiquem agora com algumas fotos do evento que foram tiradas pelo Gil Tókio, que é o quadrinista independente dono das piadas mais infames que já vi. Até mais do que as minhas. =)

E obrigado pelas fotos Gil!

Bancada de Fanzines
Nossa bancada de fanzines e quadrinhos independentes. Variedade de estilos, gêneros e formatos.

Público Leitor
O público do evento apreciando os quadrinhos da nossa bancada.

Tirando uma Soneca
Detalhe do Paulo Ramos do Blog dos Quadrinhos ao fundo prestando uma baita atenção no nosso debate. =)

Para conferir mais fotos do evento, visitem o meu álbum no flickr.

HQ e Cultura

Nesse fim de semana eu irei sair da Grilo Caverna para participar de dois eventos de quadrinhos. O primeiro será nesta sexta-feira, dia 27; um debate sobre “Quadrinhos Independentes e Internet” (tema este, aliás, que eu abordei no post anterior) a ser realizado no Planeta Tela Espaço Cultural às 19h30min.

E no sábado estarei no evento HQ & Cultura com uma banquinha vendendo fanzines e quadrinhos junto com outros quadrinistas independentes. Haverá também o debate “O Fanzine e o século 21” às 13h da qual eu também participarei. Vamos ver quantas pessoas mais a gente consegue cooptar pro nosso lado. =)

Relatório Zine Osasco

Zine Osasco.

Eram nove horas da manhã quando cheguei na Biblioteca Municipal de Osasco no último sábado, dia 25 de novembro, para preparar os últimos detalhes do Zine Osasco, que iria começar às dez horas. O Zine Osasco é um evento sobre fanzines e quadrinhos independentes cujo objetivo é servir como um ponto de encontro entre fanzineiros, quadrinhistas e leitores para trocar idéias e discutir sobre a produção de quadrinhos e o mercado nacional, além de divulgar o trabalho dos quadrinistas iniciantes, incentivando-os a produzirem cada vez mais para assim melhorarem suas habilidades e perícias na confecção de uma história em quadrinhos.

O evento foi formatado da seguinte maneira: uma exposição dos fanzines inscritos que iram compor o novo acervo de fanzines da Biblioteca; uma exposição de ilustrações cujo tema desta primeira edição do evento foi mitologia grega; e por fim, uma série de palestras com temas pertinentes a produção independente.

A primeira palestrante do dia foi Beth Kodama, substituindo a Elza Keiko, que não pôde comparecer. Beth deu dicas e noções básicas sobre edição e diagramação de uma revista para os presentes, além de contar a sua experiência pessoal como fanzineira com os fanzines Kanetsu e Ethora Especial. Para aqueles que sempre quiseram fazer um fanzine, mas não tinham muita noção de como, a palestra da Beth foi bem enriquecedora.

Após uma pequena pausa para o almoço, foi à vez de Zé Oliboni, editor do site Pop Balões, dar a sua palestra sobre quadrinhos na Internet. Zé contou a experiência que ele está tendo com a publicação de quadrinhos no seu site, e também sobre outras experiências bem sucedidas de sites que publicam quadrinhos online, como a Nona Arte de André Diniz, e o Quantoon, da Quanta Academia. Oliboni destacou a importância da Internet como um ótimo meio de divulgação para os quadrinista, mas ressaltou que eles devem pensar mais em fazer quadrinhos adaptados a Internet ao invés de ficarem presos aos padrões das hqs impressas, já que na Internet é possível ousar mais neste aspecto, pois não há as limitações do formato do papel.

A última palestra do Zine Osasco foi realizado por Eloyr Pacheco,Will, Leonardo Pascoal, e Caio Majado. A palestra começou com cada um deles contando um pouco das experiências pessoais na área de quadrinhos e apresentando seus respectivos trabalhos. Depois foi a vez deles falarem um pouco da revista em quadrinhos A Mosca no Copo de Vidro e Outras Histrórias que eles produziram juntos. Então começou-se a discutir sobre a crescente produção independente de quadrinhos no Brasil. O consenso que se chegou com essa discussão é que a produção independente é extremamente importante para a criação futuramente de um mercado de quadrinhos nacional consistente, estável e extremamente profissional.

Mas para que isso seja possível, é preciso que haja uma conscientização dos quadrinistas de que este mercado só se tornara uma realidade a partir da iniciativa deles mesmos, que devem produzir cada vez mais, ao invés de ficarem parados esperando que as editoras os publiquem. E felizmente este é um movimento que já está acontecendo, e espero que a produção independente cresça cada vez mais a ponto de chamar a atenção dos leitores de quadrinhos, cuja grande maioria ainda não faz nem idéia da existência deste cenário independente no Brasil. O 1º Zine Osasco deu um passo nesta direção, uma pequena contribuição para que o leitor possa tomar conhecimento de tudo isso e também interagir de perto com os quadrinhistas independentes.

Por fim, posso dizer que os saldos do 1º Zine Osasco foram positivos. Gostaria de agradecer aos convidados que gentilmente aceitaram dar as palestras e principalmente, aos fanzineiros que participaram ativamente do evento. Sem vocês, ele não teria sido possível. Valeu!