Bate Papo sobre Produção Independente na Monkix

Bate Papo e Lançamento na Monkix

No próximo dia oito de agosto acontece na loja Monkix o lançamento da revista Café Espacial nº 14, e junto haverá um bate papo com alguns quadrinistas que já colaboraram com a revista com o tema “Passado, Presente e Futuro da Produção Independente”.

E eu sou um desses quadrinistas convidados para esse bate papo, no qual pretendo falar sobre minha trajetória de 15 anos produzindo quadrinhos de forma independente, tanto impresso quanto digital. Além de mim, também farão parte desse bate papo André Diniz, Flavio Soares, Ebbios Lima, Eduardo Mendes, Sueli Mendes e Floreal Andrade.

Após o bate papo haverá uma sessão de autógrafos no qual irei autografar as minhas revistas em quadrinhos Homem-Grilo & Sideralman e Nova Hélade – Gigantomaquia.

O evento começa às 16h, e estão todos convidados.

O Fim do (Quarto) Mundo

Fim do Quarto Mundo.

Não faço mais parte do Quarto Mundo desde outubro de 2009. Uma série de fatores me levaram a sair do coletivo, mas o principal é que as funções que eu desempenhava lá dentro estavam me sobrecarregando, a ponto de não sobrar mais tempo hábil nem para minha produção pessoal. Dali pra frente continuei apenas ajudando o Quarto Mundo nas vendas dos quadrinhos em alguns eventos, mas já não tinha mais nenhuma relação na administração do grupo ou participação ativa dentro do coletivo.

O Quarto Mundo foi muito importante para o meu aprendizado como quadrinista, tanto pelo acertos, quanto pelos erros (os quais procuro não repetir no Petisco, o coletivo do qual agora faço parte). Não vejo seu fim como algo ruim, nem com tristeza, mas como uma jornada concluída.

A principal proposta do Quarto Mundo era ajudar a fortalecer um “mercado” de quadrinhos independentes que funcionasse em sinergia com o mainstream. E isso de fato aconteceu. A melhor amostra disso é o FIQ.

No primeiro FIQ que o Quarto Mundo participou, em 2007, havia, se não estou enganado, três estandes de quadrinhos independentes, sendo que um era o do Quarto Mundo, o outro o da Graffiti junto com outras publicações independentes de Belo Horizonte (e que mais tarde também iriam integrar o Quarto Mundo), e o terceiro era um estande reunindo a galera dos “Quadrinhos Dependentes” (mas ainda não com esse nome).

Já no último FIQ, de 2011, havia uns 10 estandes de grupos de quadrinistas independentes, e diversos outros que estavam com mesas, como foi o meu caso com o Petisco. Uma evolução e tanto, não?

Diante desse novo cenário, um grupo tão grande e com tantos membros como o Quarto Mundo (e que se tornou engessado justamente por seu tamanho) não faz mais sentido já que há diversos outros grupos ocupando o espaço nos eventos e alimentando a produção independente, como é o caso do próprio Petisco.

Ou seja, o Quarto Mundo pode ter acabado mas seus ideais continuam firmes e fortes em diversos outros coletivos independentes que continuam mantendo a produção de quadrinhos viva por todo Brasil, seja de forma impressa, ou online na Internet.

O Quarto Mundo está morto. Vida longa ao Quarto Mundo. =D

Oficina de Webcomics na Rio Comicon

Cartaz da Rio Comicon por Milo Manara.

Enquanto não consigo ir nos grandes eventos internacionais de quadrinhos, como a San Diego Comicon, o Festival de Angoulême, e o Festival de Amadora, estou ao menos conseguindo ir nos grandes eventos de quadrinhos realizados pelo Brasil. Só esse ano já fui à Anime Dreams, SP Comic Fair, HQCon e Fest Comix. E o próximo evento na agenda é a Rio Comicon, que acontece entre 9 à 10 de novembro, na Estação Leopoldina, na cidade do Rio de Janeiro.

Irei ministrar uma oficina sobre webcomics na Rio Comicon, no dia 10 de novembro, das 18h às 19h30. Essa oficina é voltada tanto aos quadrinistas iniciantes quanto aos profissionais que já publicam quadrinhos de forma tradicional há tempos, mas gostariam de adentrar também a esse universo dos quadrinhos digitais. A minha ideia com essa oficina é dar um panorama geral de como está o mercado de webcomics e quadrinhos digitais hoje em dia, além de mostrar as melhores formas e ferramentas pra se publicar quadrinhos onlines. E principalmente, irei mostrar quais são os principais modelos de negócios para se ganhar dinheiro publicando webcomics.

Além dessa oficina, também estarei todos os dias do evento no estande do Quarto Mundo vendendo minhas histórias em quadrinhos, como o Homem-Grilo e Nova Hélade, entre outras.

Se você me ver andando pela Rio Comicon, dê uma alô. Adoro conhecer meus leitores e bater um papo, pois aprendo muito com vocês. E isso faz com que eu produza histórias em quadrinhos cada vez melhores. =)

Para quem não for, vou tentar na medida do possível (não sei exatamente se terei acesso a Internet lá do evento) manter vocês atualizados através do meu twitter sobre o que anda rolando na Rio Comicon.

E pra quem for, vejo vocês lá! =D

Lançamento do Almanaque Contos da Madrugada

Almanaque Contos da Madrugada #01

O Projeto Contos da Madrugada, desenvolvido por Felipe Meyer, consiste em produzir uma revista em quadrinhos entre a meia-noite e às seis da manhã. Roteiristas e desenhistas então se reúnem (geralmente num bar, ou qualquer lugar com cerveja disponível) pra realizarem todos os estágios de produção de uma revista – desde os roteiros e desenhos até a diagramação e edição final – antes mesmo do sol nascer.

E depois de duas edições lançadas em fanzines, o Felipe resolveu reunir as melhores histórias, recauchutadas, no Almanaque Contos da Madrugada, uma bela edição com 32 páginas, miolo p/b off-set e capa colorida em couché.

Entre os roteirista presentes nesta edição está o próprio editor Felipe Meyer, o Daniel Esteves, e este que vos fala. Os desenhistas são Gil Tokio, Jozz, Sam Hart, Will, Laudo, Omar Viñole, Felipe Cunha, Hugo Nanni, Robles, Marcos Venceslau e Mario Cau (que também fez o desenho da capa).

O lançamento do Almanaque Contos da Madrugada acontece no próximo sábado, dia 28, na Livraria HQMix (Praça Franklin Rossevelt, 142 – Centro – São Paulo), a partir das 19h30.

Confira abaixo as HQs presentes no Almanaque Contos da Madruga junto com uma pequena sinopse de cada uma:

O Rei Contra Zumbis em Ritmo de Aventura! – Robertão detona fãs desmortas numa HQ produzida a doze mãos.

Demetrius Dante em Zombie Walk – O Detetive do Absurdo persegue zumbis em plena Avenida Paulista.

O que você faria se só lhe restasse esse dia? – Felipe Meyer e Gil Tokio apresentam uma deliciosa e inovadora receita para aproveitar o fim do mundo.

Cosmogonia – Descubra nessa HQ o que acontece quando o mundo é “cancelado” e Deus é despedido de seu cargo.

Summer Zombie – Mais zumbis, dessa vez sob o ponto de vista de quem entende o valor de um bom cadáver.

Poderoso Lester – Pra não perder a prática, Hugo Nanni e Felipe Meyer atacam o gênero dos super-heróis com uma HQ feita às pressas, bem ao estilo Contos da Madrugada.

A Briga de Deus e o Diabo contra os Homens-Curiosos – Deus e o Diabo se posicionam em lados opostos a respeito de um perigoso experimento científico.

Un Attimo – E pra finalizar, Will faz uma sequência a uma HQ do capista Mario Cau, sobre seus momentos intimistas e o que de fato pensamos deles.

E se você ainda não assistiu ao Making Off do primeiro Contos da Madrugada, confira abaixo e se divirta. =)