Tudo é um Remix

Foi lançada no dia 16 de fevereiro a quarta parte do ótimo documentário Everything is a Remix. E se você não viu as outras partes, estão todas disponíveis e legendadas neste link: http://vimeo.com/baixacultura

A mensagem deste documentário é bem simples. Se você acha que você é original, você é um idiota. Pois a originalidade não existe. Nova ideias nada mais são do que a cópia, combinação e transformação de ideias antigas. E o mesmo vale pras obras criadas com essas ideias.

Nem mesmo as primeiras obras literárias de que temos registro na história, que são os poemas épicos, são originais. Esses poemas nada mais são do que recombinações de diversos mitos que já vinham sendo contados e recontados há centenas de anos antes pela tradição oral. Então, meu amigo, se nem mesmo a Ilíada e a Odisseia, que foram compostas há cerca de três mil anos atrás, são originais, não é a sua história criada agora que vai ser.

E como autores devemos ter consciência disso, e começarmos a lutar para que as leis de direitos autorais voltem a ser o que sempre deveriam ter sido, uma lei que incentive e proteja os autores (e unicamente os autores, e não os intermediários e atravessadores, afinal, é lei de direito AUTORAL) ao mesmo tempo que preserve a cultura humana e tudo que foi produzido com ela e partir dela como um domínio público rico e livre para que todos possam criar e recriar em cima. Não podemos mais deixar que empresas como a Disney, que cresceu e enriqueceu em cima de obras de domínio público, tentem agora acabar com o próprio domínio público ao elevar sistematicamente o período de proteção do copyright (que começou em 14 anos, e que no EUA já está em 100 anos após a morte do autor) através do lobby no congresso norte-americano com o que ficou popularmente conhecido como Lei Mickey.

Autores, já passou da hora de acordarmos pra realidade, e não mais deixarmos que a cultura humana, fonte de nossas obras, vire propriedade privada eterna de poucas corporações. Toda obra tem origem no domínio público, e ao domínio público um dia deve voltar.

Trailer de Scott Pilgrim

Confiram esse espetacular trailer da adaptação cinematográfica da HQ Scott Pilgrim, criada por Bryan Lee O’Malley. Essa estética do filme, misturando elementos de quadrinhos e games, ficou muito foda. O longa estreia em 13 de agosto nos EUA. No Brasil ainda não há data confirmada. Só espero que não vá direto pra DVD como já aconteceu com outro filme do diretor Edgar Wright, “Shaun of The Dead”.

Scott Pilgrim é umas das HQs mais badaladas do momento e finalmente está sendo lançada no Brasil pela Cia das Letras. O primeiro volume, “Scott Pilgrim Contra o Mundo”, já está a venda, e reune os dois primeiros volumes originais publicado nos EUA.

Watchmen – Sequência dos Créditos de Abertura

Para mim, a sequência dos créditos iniciais é o ponto alto do filme de Watchmen (o que é um ponto negativo pro filme, já que isso quer dizer que depois dos créditos não há nenhuma cena que o supere). Mas de todo modo, o filme já vale por essa sequência, em que o diretor Zack Snyder habilmente conta toda a tragetórios dos (super)heróis desde os Minutemen, assim como situa o espectador na História alternativa do univeso de Watchmen.

Aliás, Snyder parece ser especialista em fazer boas sequências de créditos de abertura pros seus filmes, como é o caso da sua refilmagem de Madrugadas dos Mortos, cuja sequência inicial também é tão boa quanto a de Watchmen.

Videocast Zine Royale – Parte 01


Zine Royale #001 – Cadu Simões from Gil Caserta on Vimeo.

Acima vocês conferem a minha participação no recém inaugurado videocast do Zine Royale, publicação independente editada pelo meu amigo Jozz. Nessa primeira parte do podcast eu falo um pouco sobre produção independente, tanto online como impressa, e a dinâmica que deve existir entre as produções alternativas e mainstreans para que haja uma consolidação do mercado de quadrinhos nacional.

Espero que gostem.