Norte

– O que é isso? – Ela perguntou, mesmo sabendo exatamente o que era.
– Uma bússola, oras. – Respondi, entregando-a para ela. – Não se lembra? Quando perguntei o que você precisava, você me respondeu: “uma bússola e um saquinho de jujubas”.
– E cadê as jujubas?
– Não achei. Mas trouxe um saco de balas dadinho.
– Hunf! Dadinho não é tão legal quanto jujuba. – Ela disse, no seu típico tom ranzinza. – Não dá o mesmo barato.
– Bem, mas é melhor do que nada.
– É, talvez…
Um silêncio se fez. Ela olhava para a bússola em sua mão, contemplando-a, pensativa.
– Tome! Não vou precisar mais dela.
– Mas por quê? – Perguntei, já imaginando a resposta.
– Já encontrei o meu norte. Acho que agora ela será muito mais útil para você.
Ela tinha razão. Dava pra ver que ela não era mais aquela garota perdida e sem rumo que eu conheci há seis meses atrás. Mas agora, quem estava perdido era eu.
– Posso seguir com você, então? Talvez o seu norte também seja o meu.
Ela pensou a respeito, por um momento.
– Tudo bem – Respondeu, afinal. – Não tem graça nenhuma em ser a pessoa mais ranzinza do mundo, se não tem ninguém por perto para ouvir você reclamar.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.