A Vida de Quadrinista Independente Além da CCXP e dos Eventos de Quadrinhos

Plaquinhas CCXP

Participei de todos os Artists Alley da CCXP até aqui. Foram cinco em São Paulo e um em Recife. Todos eles geraram boas histórias para contar, mas esse último foi especial devido a minha despedida dos eventos de quadrinhos.

Agradeço de coração a todos que passaram pela minha mesa, seja para comprar meus quadrinhos, me trazer presentes, alimentos e analgésicos (bem úteis, aliás), ou apenas para trocar uma ideia. Um agradecimento especial para o Dan Arrows, meu companheiro de mesa, que teve paciência de me aguentar reclamando de dor todos os dias.

Foi muito bom participar da história da CCXP desde 2014. Mas minha história como quadrinhos começou muito antes, há quase 19 anos. E de lá pra cá já participei de todo tipo de evento vendendo meus quadrinhos, dos pequenos aos grandes. Mas essa fase na minha carreira como quadrinista acabou.

Como não irei mais publicar quadrinhos impressos, não faz mais sentido continuar participando dos Artists’ Alley dos eventos. Isso significa que também não distribuirei mais os quadrinhos que ainda tenho em estoque. Inclusive vou fechar minha loja online. Mas você poderá encontrar meus quadrinhos que ainda estão em estoque em livrarias especializada como a Ugra. Ou então comprando diretamente com meu pai no Bar Simões.

No entanto, isso não significa que não haverá mais quadrinhos impressos meu. Apenas eu mesmo não irei mais imprimi-los e vendê-los. E como pretendo disponibilizar sob Creative Commons os arquivos em alta das minhas HQs na Internet, você mesmo poderá imprimi-los. Inclusive para revendê-los comercialmente (algo permitido pela licença CC que eu uso).

Eu só preciso ainda ver como farei isso. Não dá pra disponibilizar esses arquivos no atual servidor dos meus sites pois eles são muito grandes, e não tem espaço disponível lá. Para isso, teria que contratar um plano de hospedagem mais caro, o que meu orçamento atual não permite. Talvez a alternativa por hora seria arranjar algum serviço de hospedagem gratuito (aliás, se alguém aí tiver indicações pra me dar, estou aceitando).

Além dos arquivos individuais de cada página com os layers abertos pra edição (para aqueles que possuem conhecimento técnico pra isso), estou pensando também em distribuir arquivos já fechados para impressão pra ser usado por qualquer um, sem necessidade de um conhecimento de edição.

Seriam dois tipos de arquivo, um pra impressão caseira, e outro em gráfica rápida. O arquivo para impressão caseira seria formatado de maneira que você possa imprimir a HQ na impressora que você tem em casa, em folha sulfite A4 mesmo (mas que viraria um livreto A5).

Já o arquivo em gráfica rápida ainda não sei em que formato fazer. Mas acho que vou adotar o gabarito da Print para impressão em livretos A5 (e dá pra selecionar as opções de papel e acabamento pré-formatada no site deles, então até mesmo um leigo conseguiria imprimir).

O problema aqui é que o mínimo de unidades que a Print imprimi de livretos é cinco exemplares, então não daria para imprimir um apenas pra você. Mas aí você poderia dar os outros quatro exemplares pra amigos, ou até revender se for o caso, pois como já disse acima, a licença CC que uso permite isso.

Mas ainda estou pensando nas possibilidades do que fazer pra distribuir esses arquivos em alta, e em que formatos. Como estou tentando fazer algo que nunca antes foi tentado aqui no Brasil para distribuição livre de quadrinhos (pelo menos nunca soube de nenhum outro quadrinistas que faça ou já tenha feito algo assim), estou tateando no escuro e sem ainda saber exatamente qual é o melhor caminho a seguir. Aliás, novamente, aceito sugestões.

No mais, estou ansioso para começar essa nova fase na minha carreira como quadrinista, no qual pretendo explorar ao máximo até onde vai os limites de um modo de produção e distribuição anticapitalista de obras artísticas, amparado nos preceitos da cultura livre. Algo me diz que será uma jornada maravilhosa. Ainda mais se eu puder contar com vocês ao meu lado nela.

Bienal de Quadrinhos 2018

Bienal de Quadrinhos

Dos dias 06 a 09 de setembro estarei em Curitiba participando da Bienal de Quadrinhos (também conhecida como Gibicon).

Vocês poderão me encontrar no área do artistas, dividindo a mesa 109 junto com o Mario Cau e o Lucas Oda. Estarei vendendo meus quadrinhos como Homem-Grilo & Sideralman, Nova Hélade, Cosmogonias e Acelera SP e a antologia Petisco Apresenta.

Além disso participarei de um bate-papo junto com o Daniel Esteves na quinta-feira, às 11h, no espaço da Biblioteca do MUMA. O título do bate-papo é Acelera dos Mortos: Política e Apocalipse Cyberpunk no qual iremos falar sobre representações e críticas sócio-políticas dentro de nossas obras São Paulo dos Mortos (um apocalipse zumbi) e Acelera SP (uma distopia cyberpunk).

Então nos vemos em Curitiba. =D

Mais um FIQ

Credenciais do FIQ

Depois de uma semana sensacional no Festival de Quadrinhos de Belo Horizonte, fiquei tão cansado que mesmo voltando pra Osasco e dormindo todo dia até mais tarde ainda não consegui descansar completamente. Mas é uma canseira que valeu a pena.

Estou muito feliz com a boa repercussão que Acelera SP teve em Belo Horizonte. Apesar da história estar localizada em São Paulo, isso mostra que o desmonte do Estado e a apropriação privada daquilo que é público ė um problema generalizado.

Apesar de toda a pendenga que o FIQ sofreu com a falta de verba (correndo o risco até do evento acabar), no fim o adiamento por um ano e a mudança da data para o primeiro semestre acho que acabaram sendo benéficos.

Só é uma pena que o FIQ tenha acontecido no meio dessa crise de abastecimento. Acho que o evento foi um pouco prejudicado por isso. Mas ainda assim teve um bom público e as vendas foram satisfatórias.

Frequento o FIQ desde a edição de 2007, sempre com estande ou mesa, vendendo meus quadrinhos. E agora tive a experiencia de ser um dos convidados e participar de um debate, que foi magnífico. Agradeço a organização do FIQ por essa oportunidade.

Para mim, voltar ao FIQ como convidado ė muito simbólico, pois na edição anterior do evento em 2015 eu estava passando pela minha pior crise de reumatismo e achei que nunca mais iria conseguir frequentar eventos de quadrinhos novamente. Este FIQ pra mim foi um renascimento.

Mesmo não sendo o evento que eu vendo mais, o FIQ é meu evento preferido de quadrinhos e mora no meu coração. É possível sentir uma forte aura de afetividade e amor que emana das pessoas durante o evento e nos revitaliza. E então você entende porque escolheu essa vida de quadrinista.

Vida longa ao FIQ.

Festival Internacional de Quadrinhos 2018

FIQ 2018

Este ano eu tenho a honra e o prazer de ser um dos quadrinistas convidados do FIQ, Festival Internacional de Quadrinhos, que irá acontecer dos dias 30 de maio a 3 de junho na Serraria Souza Pinto, em Belo Horizonte (MG).

Isso significa que além de eu estar presente todos os dias no evento na área dos artistas, na mesa 126, vendendo meus quadrinhos, também irei participar de um debate e terei uma sessão de autógrafos.

O tema do debate será Clichés, estereótipos e outras armadilhas, e vai acontecer na quinta, dia 31, às 19h30. Além de mim, irão participar do debate as quadrinistas Mylle Silva e Aline Lemos. A mediação será feita por Luis Felipe Garrocho.

Já a sessão de autógrafos irá acontecer no domingo, dia 3, às 15h.  No entanto, como disse, estarei todos os dias em minha mesa, então se você quiser comprar os meus quadrinhos e já pegar autógrafo, é só colar lá.

Estarei vendendo em minha mesa Acelera SP, Cosmogonias, Nova Hélade – Gigantomaquia, Homem-Grilo & Sideralman Nº 01 e a antologia Petisco Apresenta. Também irei levar para vender os três volumes dos quadrinhos do Demetrius Dante publicados pelo Will (e que possuem colaboração minha).

Então vejo vocês no FIQ.