Lançamento do Contos da Madrugada Extra

Lançamento do Contos da Madrugada Extra.

O projeto Contos da Madrugada idealizado por Felipe Meyer com a cumplicidade dos roteiristas Daniel Esteves, Cadu Simões (que sou eu, aliás) e, nesta nova edição, Rodrigo Febrônio, consiste em passar a noite fazendo quadrinhos e bebendo cerveja (nem todo mundo). A ideia é escolher um tema e trabalhar em cima, o da vez foi “versus”, “fulano contra sicrano”.

Para isso os malucos aí de cima mais os desenhistas: Sam Hart, Mario Cau, Hugo Nanni, Marcos Venceslau, Thiago Spyked, Will, Régis Coimbra e Pablo Carranza, produziram hq’s curtas sobre confrontos inusitados e lutas improváveis.

Contos da Madrugada Extra, em formato tabloide, papel jornal, 8 páginas, será lançado no próximo sábado, dia 19 de fevereiro de 2011, a partir das 16h, no Espaço Multiverso – Rua Cardeal Arcoverde, 422 (esquina com a Capote Valente) Pinheiros – (11) 2361-2201.

A edição conta com o apoio do programa HQ Além dos Balões e do próprio Espaço Multiverso.

Venha buscar seu exemplar que é gratuito.

Relatório Rio Comicon 2010

Estande do Quarto Mundo na Rio Comicon.
Estande do Quarto Mundo na Rio Comicon.

Adorei a semana em que estive no Rio participando da Rio Comicon. Apesar de todas as falhas que o evento teve (muitas, compreensíveis, presentes em qualquer evento de grande porte), posso considerar que, ao menos pra mim, o saldo final do evento foi positivo em diversos fatores.

Viajei para o Rio de Janeiro junto com Daniel Esteves e com o Will, e todos nós ficamos hospedados na casa da Ana Recalde (e valeu novamente pela hospedagem, Aninha, que Zeus Xenios, considerados pelos antigos gregos como o patrono dos viajantes e dos que hospedam os estrangeiros, te proteja!). Como havia dito no meu último post, fui para a Rio Comicon para vender meus quadrinhos no estande do Quarto Mundo (apesar de não mais fazer parte do coletivo, me foi cedido vender meus quadrinhos no estande deles, e em troca eu trabalhei na administração do estande e colaborei vendendo as demais revistas do Quarto Mundo, que afinal, é algo que eu já fazia quando ainda era do coletivo). E posso dizer que bati todos os recordes de vendas nessa Rio Comicon, sendo que algumas das revistas, bottons e chaveiro que eu levei se esgotaram completamente. E o mesmo pode ser dito de todo o estande do Quarto Mundo, que vendeu bastante, mesmo das revistas mais antigas, mas que, ao que parece, ainda não eram tão conhecidas do público do Rio, fazendo com que mesmo essas revistas ainda fossem novidades pra eles.

Também ministrei duas oficinas lá na Rio Comicon. A primeira, que já estava na programação oficial, foi sobre Webcomics, e estava lotada. Não esperava que tanta gente fosse se interessar pelo tema (em geral as oficinas mais concorridas costumam ser as de temas mais básicos, como roteiro ou desenho). A sala da oficina estava tão cheia, que algumas pessoas tiveram que se sentar no chão. E alguns, infelizmente, acabaram ficando sem a apostila da oficina, pois a organização do evento não havia impresso exemplares extras.

E quase que uma falha na conexão com a Internet do meu EeePc acabou estragando a oficina, mas graças a ajuda do quadrinistas Marcos Noel, que estava assistindo a minha oficina e cedeu gentilmente o seu notebook para que pudesse usar no lugar do meu, tudo ocorreu como programado e eu consegui mostrar todos os exemplos e sites de webcomics que eu queria. No fim, pelos comentários que recebi, apesar de básica, a oficina se mostrou bem proveitosa para galera, e ajudou mesmo aqueles que já estavam publicando suas webcomics e já tinham alguma experiência no assunto.

Cadu Simões ministrando uma oficina de webcomics na Rio Comicon.
Oficina de Webcomics.

Outra oficina que ministrei foi a de Fanzine. Originalmente era para essa oficina ser ministrada pelo Marcos Venceslau, mas como ele não pode ir, eu e o Will acabamos substituindo ele. Aqui a pegada já foi bem diferente da oficina de webcomics, e abandonamos completamente o computador e as novas tecnologias, e focamos no bom e velho fanzininho feito de papel. Ensinamos a galera como se montar o boneco de um fanzine simples, e também como dobrar, cortar, e as melhores formas de reproduzir e fazer cópias (como mimiógrafo, xerocs, impressão a laser, etc). Essa oficina de fanzine não tinha tanta gente, ainda mais se comparada com a de webcomics, mas isso foi bom, pois assim deu para dar mais atenção a cada aluno individualmente, e também fazer eles botarem a mão na massa, e ao final da oficina, cada um saiu com seu próprio fanzine prontinho pra ser copiado e vendido.

Muito se comentou sobre a falta da participação das editoras na Rio Comicon. Eu já imaginei que isso fosse ocorrer devido ao histórico de não participação das editoras em eventos de quadrinhos pelo Brasil, como tem, por exemplo, ocorrido com o FIQ, evento realizado pela mesma equipe de pessoas que organizaram a Rio Comicon. Salvo raras exceções, a maioria das editoras, e seus editores, não possuem o hábito de estarem presentes nesses eventos com estandes, para que possam vender seus quadrinhos diretamente aos seus leitores (de preferência com desconto, já que no evento pode ser reduzido do preço de capa todos os custos com distribuidoras, livreiros, entre outros intermediários) e também atender aos quadrinistas interessados em apresentar seus projetos e portfólios a essas editoras.

Na seção de comentários do Blog do Universo HQ, sobre a crítica da Rio Comicon feita pelo Sidão e pelo Delfin, o Roberto Ribeiro, principal mentor do evento, respondeu que entrou em contato com as editoras de quadrinhos e encontrou dificuldades em convencê-las em participar da Rio Comicon (e ele ressalta que o mesmo já havia ocorrido com o FIQ, como salientei acima). Roberto disse que o principal motivo da não participação das editoras é uma desconfiança no potencial comercial de eventos do gênero. Se for esse mesmo o motivo, é uma pena, pois mostra como os editores possuem uma visão estreita. Não adianta os editores reclamarem do mercado de quadrinhos, se eles mesmo não investem no seu crescimento, e participar de eventos é uma boa forma de se fazer isso.

Até o momento a única resposta que houve a esse comentário do Roberto por parte de uma editora foi da Cia da Letras, em um comentário deixado também no Blog do Universo HQ pela Diana, que cuida da parte de redes sociais da Cia das Letras. Diana diz nesse comentário que a editora entrou em contato com a Rio Comicon diversas vezes perguntando sobre quais eram as possibilidades para a Cia da Letras montar um estande próprio no evento, e segundo ela, diversas vezes a organização respondeu que ia passar a eles essas informações, mas nunca passou. Aliás, se eu não engano, a Cia das Letras era a única editora que possuía estande próprio no FIQ do ano passado, e por já terem mostrado efetiva participação num evento de quadrinhos, foi uma grande falta não termos um estande deles também na Rio Comicon.

É uma pena que as outras editoras também não tenham se pronunciado a respeito da ausência delas na Rio Comicon, pois assim ficamos sem o lado delas da história, e ficamos sem saber se isso ocorreu de fato por descaso com o evento por parte delas, ou se houve falha de comunicação por parte da organização, como parece ter ocorrido no caso da Cia das Letras.

Cadu Simões autografando uma edição da revista do Homem-Grilo.
Autografando a revista do Homem-Grilo.

Mas se a organização do evento e as editoras parecem estar batendo cabeças, os quadrinistas ao menos estão fazendo suas partes e muitos deles participaram da Rio Comicon, seja com estandes próprios ou vendendo seus quadrinhos de mão em mão mesmo. Isso, aliás, é algo que também já vinha ocorrendo no FIQ, e se intensificou ainda mais na Rio Comicon. Como disse o Gabriel Bá em seu blog, somente o contato direto entre o autor e o público é que realmente pode consolidar o mercado nacional de quadrinhos. E a participação dos quadrinistas na Rio Comicon foi uma amostra disso.

Ao que tudo indica, a Rio Comicon será anual, então já teremos uma outra edição do evento em 2011. E segundo o Roberto Ribeiro, também haverá mais uma edição do FIQ em novembro do ano que vem. Ou seja, para 2011 já temos confirmados ao menos dois eventos internacionais de quadrinhos sendo realizados no Brasil. Isso sem contar com o boato que tenho ouvido de que São Paulo também sediará uma Comic Con no ano que vem (mas ao que parece, esse evento não será organizado pela mesma equipe do FIQ e da Rio Comicon). E quanto mais eventos de quadrinhos tivermos pelo Brasil melhor será, pois isso só contribui para o crescimento do mercado brasileiro. De minha parte, tentarei estar presente na maior quantidade de eventos que puder, pois adoro estar em contato direto com meus leitores, e saber diretamente da boca deles o que eles acham do meus quadrinhos.

Pra finalizar, segue abaixo alguns links de outras análises e relatos feito por outras pessoas sobre a Rio Comicon:

  • Gibizada: O Télio Navega e a Lívia Brandão fazem um balanção geral da Rio Comicon. Aliás, vale dar uma olhada nos outros posts do Gibizada sobre o evento, pois ele fizeram uma cobertura bem completa.
  • Daniel Gnattali: Divertido relato sobre a Rio Comicon feito em quadrinhos por Daniel Gnattali (algo parecido com as coberturas em quadrinhos da Campus Party que eu e o Gil Tokio fizemos).
  • Quadrinhos pra Quem Gosta: Um detalhado relato de todos os dias da Rio Comicon feito por Gabriel Guimarães, incluindo até mesmo as oficinas, como a minha de webcomics.
  • Dimensão X: Outro relato bem legal da Rio Comicon feita pelo Ygor, que inclusive comprou algumas revistas minhas – e espero que ele tenha gostado. =D
  • Denis Mello: Como foi a Rio Comicon sob o ponto de vista do quadrinista Denis Mello, que estava lá no evento com um estande vendendo suas HQs .
  • Uarévaa: Mais outro divertido relato da Rio Comicon, feito pelo Julio (vulgo Freud), e que também adquiriu uma edição da revista do Homem-Grilo – provavelmente pra forrar a casinha do cachorro dele. =)
  • The Beat: Um extensivo relatório da Rio Comicon feito por Jeff Newelt, um dos membros do ACT-I-VATE, coletivo de webcomics que foi uma das minhas inspirações na criação do Quarto Mundo.

É isso aí cambada, até o próximo evento de quadrinhos. ;D

Papo de Artista

Já era pra eu ter falado disso antes, mas com o grande volume de trabalho dos últimos dias, acabei esquecendo.

Pois bem, eu participei do podcast Papo de Artista, criado por Rod Reis, que é mais conhecido pelo trabalho como colorista. Também participou do podcast Sam Hart, que dispensa apresentações.

Nesta edição do podcast nós falamos sobre quadrinhos independentes, mostrando como anda a atual produção desses quadrinhos no Brasil, em especial do Quarto Mundo.

E também elucidamos as diferenças de significados entre os conceitos de quadrinhos independentes, quadrinhos autoral, quadrinhos undeground e fanzine, algo que as pessoas confundem como sendo as mesmas coisas (inclusive a própria mídia especializada), e na verdade não é.

Espero que gostem do programa. =)

Relatório HQ & Cultura

No último sábado aconteceu no campus da Uninove Vergueiro o evento HQ & Cultura do qual eu e outros quadrinistas independentes fomos convidados a participar. Cheguei lá por volta da nove da manhã e me encontrei com o Harriot e com o Will pra montarmos a nossa bancada de fanzines e quadrinhos independentes.

Além dos meus fanzines, levei também os fanzines e quadrinhos que vendo lá na minha barraca na feira de artes e artesanato de Osasco. A esses títulos que eu levei, juntou-se o material dos quadrinistas independentes que lá estavam, fazendo com que nossa bancada ficasse com uma grande variedade de quadrinhos, de diversos estilos, gêneros e formatos, chamando muito a atenção do público presente no evento. Foi algo muito parecido com que já tínhamos feito no último Angelo Agostini.

O legal disso é ver que muito da minha ambição de unir os quadrinistas independentes está dando certo. Pois juntos fazemos muito mais barulho do que sozinhos, e assim, conseguimos nos fazer escutar pelos habitantes lá do mundo da superfície, como já havia expressado no editorial da Garagem Hermética Nº 1. Estamos saindo dos subterrâneos e conquistando o nosso espaço na superfície. E este é um movimento que tende a crescer cada vez mais.

No evento participamos também do debate O Fanzine e o Século 21. Basicamente foi um repeteco do debate que fizemos no dia anterior no Planeta Tela sobre Quadrinhos Independentes e Internet. O consenso a que se chegou é que a Internet e os meios digitais como um todo vieram pra facilitar em muito a vida do quadrinistas nas diversas etapas de produção de uma HQ, seja na parte da criação propriamente dita, ou na parte de venda, distribuição e divulgação da obra. Só não chegamos a um acordo com relação a validade comercial das webcomics no Brasil, mas esta é uma questão que só será respondida com o tempo. A minha opinião sobre o assunto, vocês já conhecem!

Enfim, foi um evento bem legal. O HQ & Cultura foi bem proveitoso para nós quadrinistas independentes e espero que tenha sido para o público também, que teve a oportunidade de conhecer uma grande variedade de quadrinhos que muitos nem mesmo sabiam que existiam, pois não é um material que possa ser encontrado nos lugares “habituais”. Aliás, só esse fato deles descobrirem que existe também quadrinhos de qualidade sendo produzido além do universo das bancas e das livrarias, já fez o evento valer a pena. E eu espero que essa consciência se propague cada vez mais entre o público leitor de quadrinhos. E se depender de nós, isso realmente irá acontecer.

Fiquem agora com algumas fotos do evento que foram tiradas pelo Gil Tókio, que é o quadrinista independente dono das piadas mais infames que já vi. Até mais do que as minhas. =)

E obrigado pelas fotos Gil!

Bancada de Fanzines
Nossa bancada de fanzines e quadrinhos independentes. Variedade de estilos, gêneros e formatos.

Público Leitor
O público do evento apreciando os quadrinhos da nossa bancada.

Tirando uma Soneca
Detalhe do Paulo Ramos do Blog dos Quadrinhos ao fundo prestando uma baita atenção no nosso debate. =)

Para conferir mais fotos do evento, visitem o meu álbum no flickr.

HQ e Cultura

Nesse fim de semana eu irei sair da Grilo Caverna para participar de dois eventos de quadrinhos. O primeiro será nesta sexta-feira, dia 27; um debate sobre “Quadrinhos Independentes e Internet” (tema este, aliás, que eu abordei no post anterior) a ser realizado no Planeta Tela Espaço Cultural às 19h30min.

E no sábado estarei no evento HQ & Cultura com uma banquinha vendendo fanzines e quadrinhos junto com outros quadrinistas independentes. Haverá também o debate “O Fanzine e o século 21” às 13h da qual eu também participarei. Vamos ver quantas pessoas mais a gente consegue cooptar pro nosso lado. =)